Você está em: Home Estudos Espírito Santo Dom de Variedades de Línguas

Dom de Variedades de Línguas

E-mail Imprimir
O dom de línguas é a habilidade dada por Deus a alguém para que haja comunicação numa língua desconhecida, e para que seja interpretada na assembléia a fim de que todos possam compreendê-la.  II Co.12:10 ; I Co. 14:5.

É uma manifestação do Espírito (I Co.12:7), e não uma habilidade humana.  Isto não têm absolutamente nada a ver com habilidades lingüísticas naturais, eloqüência em discursos, ou uma nova maneira Santificada de falar-se.  Ainda que o Espírito possa estar envolvido nestas características estão todas á parte do assunto em consideração. O dom de línguas é uma manifestação ou expressão sobrenatural do Espírito Santo, através dos órgãos vocais de uma pessoa. Ela é uma manifestação direta da esfera dos milagres.   A Bíblia revela três categorias gerais quanto ao falar-se em línguas. Embora a Bíblia não seja escrita na forma de um livro de teologia sistemática, com tudo bem dividido e esquematizado, á medida em que a estudamos e aprendemos por observação e experiência, certas categorias claramente emergem.  Ainda que a Bíblia em si não nos dê resumos sistemáticos, estes são descobertos através de uma síntese de todos os ensinamentos da Bíblia num dado assunto. Isto é parte do “manejar (analisar) bem a Palavra da Verdade”. II Tm.2:15.

Estas três categorias de línguas podem ser, claramente, vistas nas Escrituras:

1 – Línguas que são faladas no momento em que recebemos o Batismo no Espírito Santo.
(Atos 2:4 –6; 10:45-47 e 19:6).

2 – Línguas para uma comunhão pessoal com Deus numa maneira contínua.
(I Co.14:1-15;  Judas 20; Rm.8:26,27 e Ef. 6:18).

3 – Línguas que são dadas na igreja  para  uma  comunicação ao Corpo e  para  serem  um sinal ao incrédulo.
( I Co.12:10; 14:5; 14:21-22).                                                                                                               
Foi a confusão destas três categorias de línguas que o Senhor procurou corrigir na Igreja de Corinto. Aparentemente, alguns falavam em línguas demasiadamente nas reuniões, sem que interpretações fossem dadas e  isso produzia confusão e abusos. Portanto, o Senhor, através de Paulo, classificou-as para eles. Além disso, deveríamos entender que há três maneiras gerais em que a Bíblia usa a palavra “dom” ou “graça”.

1 – O “dom” de Deus da Salvação através de Cristo. (Rm.5:15-18; II Co.9:15), o qual inclui:

2 – O “dom” do Espírito Santo. (Atos 2:38; 8:20 e 10:45) o qual inclui;

3 – Os “dons” do Espírito Santo. (I Co.12:1,4,9 e 28; Hb. 2:4).

Em nenhum lugar o batismo no Espírito santo é chamado de “dom de línguas”. Ao invés, ele é o “dom do Espírito” (o qual inclui línguas). Todo crente que é cheio do Espírito Santo deve falar em línguas , mas nem todos necessariamente têm o dom de línguas como uma manifestação espiritual no ministério do Corpo.   Paulo ensina que 99% de línguas são para um uso particular e pessoal na oração, louvor e auto-edificação. Todavia, há aqueles a quem o Espírito move para que levantem as suas vozes em línguas na assembléia, para que sejam, em seguida, interpretadas, a fim de abençoarem ao povo.

O DOM DE LINGUAS É PARA A EDIFICAÇÃO DA IGREJA, E NÃO DO INDIVIDUO QUE O EXERCITA. O FALAR EM LINGUAS, COMO PARTE DO DOM DO ESPIRITO SANTO, DEVE CONTINUAR EM NOSSAS VIDAS PRIVADAS PARA UMA EDIFICAÇÃO INDIVIDUAL, E NÃO DA IGREJA.

QUAIS SÃO OS PROPÓSITOS DE LINGUAS E INTERPRETAÇÃO NA IGREJA?


01 –Para serem um “sinal” ao incrédulo. (I Co.14:21-22).

02 – Para expressarem edificação, exortação e conforto ao crente. (I Co.14:3-5). Línguas com interpretação são equivalentes a profecias.

03 –Para levantarem a congregação ao louvor e á oração ( I Co.14:13-16). Nesta passagem, Paulo encoraja ao que fala em línguas a orar pela interpretação. O contexto imediato que se segue é o orar e o falar em línguas. A dedução é que a oração e o louvor no Espírito, poderiam ser interpretadas e  ser edificantes ao Corpo. Se uma igreja tem mais línguas e interpretações que profecias, isto é uma indicação que ela não cresceu além de um nível elementar de fé (I Co. 14:5,13), ou que há incrédulos que, regularmente, a freqüentam e que necessitam desde sinal (14:21-22).

DE QUE MANEIRA AS LINGUAS SÃO UM “SINAL” AOS INCRÉDULOS?

01 – Pela EVIDÊNCIA do sobrenatural; ao verem as pessoas falando em línguas que elas nunca aprenderam. (Atos 2: 6-8; I Co. 14:21-22).

02 – Pela SENSAÇÃO do sobrenatural; elas carregam a atmosfera com a sensação da presença de Deus. Isto é sentido até mesmo pelos incrédulos.

03 – Pelo TESTEMUNHO do ouvir-se uma língua estrangeira que eles possam conhecer. Deus lhes dá um sinal, falando com eles em suas línguas maternas (ou outra que aprenderam).

Este foi o grande sinal durante o Pentecostes. Eles ouviram as pessoas falando, sobrenaturalmente, em suas próprias línguas maternas. Este sinal proporcionou a salvação de três mil pessoas que foram obedientes. Ainda que as línguas sejam um sinal, os incrédulos nem sempre as aceitam como tal, especialmente se forem praticadas sem a ordem devida (todos falando ao mesmo tempo – I Co.14:23).  Eles dirão; “estais loucos”. Na verdade, muitos cépticos e críticos respondem desta maneira, até mesmo quando as línguas são praticadas no modo apropriado.  Muitos hoje, igualam as línguas a uma tagarelice incoerente que é falada num estado de loucura emocional ou psicológica.   Isto é, exatamente, o que um grupo de pessoas orgulhosas disse no dia de Pentecostes (Atos 2:13). Isto é, exatamente, o que Deus disse que os homens diriam.

TODOS DEVEM TER O DOM DE VARIEDADES DE LINGUAS?

Não! I Co.12:28-30  mostra, claramente, que nem todos são usados desta maneira. Ainda que todos possam dar um passo de fé, ocasionalmente, e falar em diversas línguas, não é bíblico o ensinar-se que todos devem ter qualquer um dos dons do Espírito.  Esta era uma das principais ênfases de Paulo em seus ensinamentos sobre os dons e o ministério do Corpo. (Rm.12:3-8 e I Co. 12:4-31).

QUANTAS  MENSAGENS EM LINGUAS E INTERPRETAÇÕES ESTAO EM ORDEM NUMA REUNIAO?


A resposta a esta questão é dada, muito simples e brevemente, por Paulo em I Co. 14:27-28. Duas ou três mensagens são, geralmente, suficientes para que recebamos, com clareza, o teor completo daquilo que o Senhor esteja falando. Algumas igrejas têm virtualmente proibido línguas nas reuniões, por várias razoes (permitindo somente que sejam praticadas no “salão dos fundos” depois do culto). Contudo, a Bíblia não nos ordena que as silenciemos nas atividades do culto, e sim, que as regulemos. Temos, na verdade, a admoestação direta: “...não proibais falar línguas”. I Co.14:39-40.
 

Nossas Atividades

Domingo
19h
Culto/Família
Domingo
19h
Min. Infantil
Quarta
19h
Culto Propósitos
Sexta
19h30
Ensino da Palavra
1º 3º Sáb
20h
Ação Jovem

Último Evento

DSCN6471

Ceia de Comunhão

Informativo Mensal

Clique na Imagem para Conferir

Visitas

mod_vvisit_counterHoje231
mod_vvisit_counterEste Mês76434

Principais Palavras

Igreja da Família | R. João Planincheck, 1150 | Nova Brasília | Jaraguá do Sul - SC | Fone: (47) 3370-2119 | secretariaifamilia@gmail.com